Control Risks Group Holdings Ltd
Fonte: Control Risks Group Holdings Ltd |

Índice Risco-recompensa de África para 2019 Revela as Tendências que Moldam um Novo Panorama de Investimento

O relatório oferece uma perspetiva abrangente e atualizada do panorama do investimento empresarial altamente dinâmico em África

A narrativa comum sobre a rivalidade EUA-China em África sempre se pareceu como uma simplificação excessiva, mas agora está, sem dúvida, desatualizada

LONDRES, Reino Unido, 25 de setembro 2019/APO Group/ --

A quarta edição do índice risco-recompensa de África (Africa Risk-Reward Index) da empresa de consultoria especialista em risco Control Risks (ControlRisks.com) e da empresa de assessoria independente internacional Oxford Economics (OxfordEconomics.com) foi publicada hoje. O relatório oferece uma perspetiva abrangente e atualizada do panorama do investimento empresarial altamente dinâmico em África. O respeitado índice segue a evolução do panorama do investimento nos principais mercados africanos e a edição deste ano destaca várias tendências importantes e intrigantes que impactam a estratégia de investimento pelo continente.

O estudo comparativo reconhece que as eleições em mercados africanos podem alimentar tensões e aumentar as preocupações de investimento. No entanto, o estudo demonstra também como as eleições, cada vez mais, contribuem para estabilizar a paisagem política africana em evolução. É crucial identificar de que forma as eleições podem terminar a incerteza prolongada, conferir legitimidade e empoderar líderes africanos novos ou existentes com os mandatos necessários para avançar com os programas de reforma ou de contra-reforma.

"Não criem falsas expetativas com promessas entusiásticas de reforma, assumindo do princípio que líderes reformistas do tipo “homem-forte” podem levar a cabo os seus projetos sem quaisquer constrangimentos," avisa Barnaby Fletcher, diretor associado da Control Risks. "A verdadeira lição política dos últimos anos é que não se deve subestimar a força dos esforços de contra-reforma pelas estruturas políticas existentes, nem a complexidade do empreendimento," ele explica.

Tradicionalmente, o investimento africano tem sido dominado pelas grandes economias do continente, mas a aparecimento muito esperada dos blocos comerciais intercontinentais está mudando o equilíbrio de poderes. O relatório explora a importância enorme e potencial da criação da Zona de Comércio Livre Continental Africana (AfCFTA, por suas siglas em inglês) no final de maio, levantando simultaneamente algumas reservas sobre a sua implementação. Ele também analisa os progressos significativos realizados pelos blocos regionais, como o reforço da Comunidade da África Oriental (EAC, por suas siglas em inglês).

“A presente edição do índice revela um aumento pequeno das pontuações de recompensa das algumas das maiores economias do continente, incluindo a Nigéria, a Angola e o Egito, enquanto a recuperação económica destes gigantes se consolida. No entanto, o potencial mais alto de recompensa continua na África Oriental, com a expansão dos serviços e o desenvolvimento das infraestruturas, a demanda aumenta e o ambiente empresarial melhora," afirma Jacques Nel, economista-chefe para a África Austral e Oriental da Oxford Economics.

O relatório compreensivo também analisou as más interpretações comuns sobre as influências externas que afetam as economias africanas. Ao contrário do que muitos pensam, África já não é um campo de batalha equilibrado para os EUA e a China. Atualmente, o investimento americano em África totaliza USD 39 mil milhões, enquanto o investimento chinês em África representa mais de USD 200 mil milhões, e o valor do comércio da UE (União Européia) na Africa é superior a USD 300 mil milhões, de acordo com os dados revelados no informe. O relatório chama a atenção para um aumento do interesse em África por atores geopolíticos de menor peso, como a Rússia, os Estados do Golfo, a Turquia e a Índia.

"A narrativa comum sobre a rivalidade EUA-China em África sempre se pareceu como uma simplificação excessiva, mas agora está, sem dúvida, desatualizada. O envolvimento da China em Africa está mudando substancialmente, enquanto os EUA se tenta recuperar o atraso e vários outros países procuram aumentar a sua influência num panorama cada vez mais multipolar," explica Barnaby Fletcher, diretor associado na Control Risks. "Os objetivos geopolíticos estão sendo apoiados por uma torrente de financiamento para o desenvolvimento, criando oportunidades e concorrência para os atores do setor privado."

África continua a ser um destino de investimento desejável graças à sua demografia jovem e cada vez mais urbana, abundância de recursos naturais, e capacidade comprovada de desenvolver tecnologias em domínios como as telecomunicações ou a finança. A crescente concorrência de investimento pelo continente está ajudando a promoção das reformas, o que incentiva mais investimento. Na África, a diversificação é cada vez mais um sinónimo de sucesso e as economias já não podem confiar apenas na posse dos recursos naturais.

“Especialmente na situação atual de guerra comercial que ameaça reduzir a demanda chinesa da mercadoria e a demanda mundial de petróleo e gás, a dependência das exportações de matérias-primas é uma fragilidade económica grave. Por isso, os governos estão competindo para atrair capital e empresas de investimento para promover o crescimento dos setores da fabricação e dos serviços com vista ao fornecimento de produtos e serviços aos muitos milhões de africanos que estão mudando para as cidades do continente,” afirma François Conradie, o chefe da pesquisa sobre África na Oxford Economics.

Para o investidor menos experiente na África, o índice oferece um retrato comparativo das oportunidades e dos riscos do mercado pelo continente, fornecendo informações críticas pelas estratégias de entrada no mercado. Para o investidor com mais experiência no continente, o índice fornece uma perspetiva fundamentada a longo prazo das tendências fundamentais que moldam o panorama do investimento nas principais economias africanas. O índice de risco-recompensa da África não se limita com a apresentação das notícias dos manchetes sensacionalistas e o ruído em torno do tema vai além para fornecer uma visão informada sobre o investimento na África.

O índice de risco-recompensa da África de 2019 encontra-se no anexo (PDF do relatório e dos gráficos anexado)

Distribuído pela APO Group em nome de Control Risks Group Holdings Ltd.

Para mais informações, por favor entre em contato:
Claire Peddle
Diretora de Marketing, Médio Oriente e África
Email: claire.peddle@controlrisks.com
Tel: +971 50 600 5993

Gary Duncan
Diretor de Comunicações, Oxford Economics
Email: gduncan@oxfordeconomics.com
Tel: +44  (0)20 3910 8025 (Londres)

Sobre o índice de risco-recompensa de África:
O índice de risco-recompensa da África traça um quadro do desempenho de cada país em relação aos seus pares africanos pela comparação dos alguns mercados mais importantes e emergentes do continente. A posição de cada país é definida pela pontuação de risco e recompensa que incorpora o peso do PIB do país.

Sobre a Control Risks:
A Control Risks (ControlRisks.com) é uma consultoria especialista global de riscos que ajuda criar organizações seguras, conformes e resilientes. Acreditamos que correr riscos é essencial para se ter sucesso, assim que fornecemos o conhecimento e a inteligência comercial necessária para aproveitar as oportunidades e crescer. Asseguramos que esteja preparado para resolver problemas e crises. Da sala do conselho de administração ao local mais remoto, desenvolvemos uma capacidade sem paralelo para trazer ordem ao caos e restabelecer a tranquilidade à ansiedade.

Sobre a Oxford Economics:
A Oxford Economics (OxfordEconomics.com) é uma das empresas de assessoria global mais independentes do mundo que fornece relatórios, previsões e ferramentas analíticas sobre mais de 200 países, 250 setores e 7000 cidades e regiões. Os modelos económicos e setoriais e as ferramentas analíticas globais de primeira classe conferem-lhe uma capacidade sem paralelo para prever tendências dos mercados externos e avaliar o impacto económico, social e nas empresas. Sediada em Oxford, com centros regionais em Londres, Nova Iorque e Singapura, e escritórios em várias partes do mundo, a empresa emprega mais de 400 pessoas, incluindo mais de 250 economistas e analistas. A Oxford Economics é uma empresa de assessoria fundamental para decisores corporativos, financeiros e políticos. Atualmente, a nossa base global de clientes abrange mais de 1500 organizações internacionais, incluindo as principais empresas multinacionais e instituições financeiras; importantes organismos governamentais e associações comerciais; e as principais universidades, firmas de consultoria e grupos de reflexão.

Control Risks e Oxford Economics:
A Control Risks e a Oxford Economics fizeram uma parceria com vista ao fornecimento de um serviço inovador da previsão de riscos políticos e económicos baseado numa visão holística do risco num mundo complexo, globalizado e em rápida mudança. A Control Risks e a Oxford Economics combinam um conhecimento extenso especializado no domínio da geopolítica, operações e segurança com previsões e modelos económicos rigorosos sobre 200 países e 100 setores. Em conjunto, oferecemos uma gama completa de serviços de consultoria que permite à organização navegar no mundo dos riscos políticos e económicos. Nós cobrimos todos os aspetos do processo de investimento, incluindo os riscos de segurança e de integridade, a nossa prática conjunta pode cobrir cenários geopolíticos e económicos, fornecendo novas informações e orientação.